Um mix de tudo

Meio que abandonei isso daqui. Mas não é verdade. A única razão de ter um blog é para escrever quando eu tiver vontade. O que é o caso nesse exato momento.

Hoje fiquei pensando o que estava fazendo nesse mesmo dia ano passado. Primeiro de dezembro. Tinha apresentado meu TCC. Esperando só a colação de grau e finalmente ser Bacharel em Direito (grandes coisa, mas para mim é sim: cinco anos e meio de faculdade é realmente uma grande coisa).
Lembro-me certinho da minha orientadora perguntando como estava meu pai. Fui muito sincera com ela: fiquei com medo dele ter falecido no final de semana anterior a minha apresentação.
Esse momento nostalgia me fez lembrar algumas coisas dele: quando ganhei o mac da minha mãe, ele ficou todo felizinho, dizendo “ah, isso é um apple”; de eu estar ensaiando a apresentação com a minha mãe (um dia antes, diga-se por sinal haha) e meu pai vir sentar ao meu lado, perguntando se poderia estar ali; dele querer construir um quartinho pra ele nos fundos da minha casa para poder ser cuidado por mim e pela minha mãe… Tem outras coisas que me lembro dele, mas essas eu já discuti com a minha mãe essa semana e já chorei por isso. E por esta razão, não serão mencionadas.
Parece que meu pai espero para falecer. Esperou meu stress todo de final de curso para ir. Pode até soar egoísta, mas agradeço muito por isso.
Daqui a oito dias faz um ano. Um ano do falecimento do meu pai. Passou tão rápido…
A única coisa que eu realmente queria agora é não ter que aguentar comercialzinho de Natal, de festividades, da festa de Natal, da festa de Ano Novo e passar logo para 2012. Simples assim. Não sei como sobrevivi a isso ano passado e não sei como será esse ano. Só sei que não pretendo ver foguetório na praia – porque graças a nova religião da minha mãe, ela não acredita mais em festa de Natal e ajuda muito a não ter que passar por isso.

E desculpe-me se você leu tudo isso até aqui. Sendo bem egoísta (e grossa também), o blog é meu e escrevo o que eu quero. E ponto.