Angústia

Esse final de semana vi meus tios e minha vó.
Meu tio mais velho está a cara do meu pai!!! Tomei cada susto… hehe
Sabe, estou morrendo de saudades do meu pai. Chorei tanto… Chorei na ida para o sítio do meu, na vinda embora pra Curitiba.
Porque, sabe, apesar de tudo ele era meu pai e eu gostava dele.
Agora vem aquela sensação de angústia, tristeza total. É uma coisa tãoooo ruim! Nem sei como me livrar disso. Não tenho mais sono e nem vontade de comer. A única vontade é de ficar olhando pro nada, analisando o nada e pensando no nada.
Eu sei que preciso reagir e tomar um “Acorda Alice!”, mas não sei nem por onde começar.
Essa é uma sensação tão ruim…

E bom dia pra você que me lê.

Um pouco de tudo, um pouco de nada

Sabe aquela célebre frase: “ema ema ema, cada um com seus problemas”?
Pois bem. Sei que os meus não são lá super preocupantes, super estressantes, mas os problemas são meus e me preocupam.
Seu problemas são piores que os meus? Bom, isso não é bom nem ruim. Cada um carrega a cruz que merece. Nunca será mais pesada do que você realmente pode carregar.
As coisas tem ocorrido bem nesses dias que antecedem minha ida para minha tão sonhada Curitiba. Bem melhores até do que eu esperava. Maaaas, prefiro ser realista ao extremo (como me disse a Mily – porque não vou mais usar palavras negativas), e esperar as coisas acontecerem, porque muita água irá rolar…
Acho que muita coisa que eu tenho passado – com relação a tudo – é culpa da ansiedade: da minha mãe em me “perder”, ou melhor, de me ver adulta o suficiente para que eu não precise mais dela; ou da minha ansiedade.
Mas enfim, as coisas irão se ajeitar…

2012

Tinha feito um post em 28/12/2011. Não sei porque não postei e resolvi simplesmente deletar. Nem sei o que tinha escrito. Simplesmente deletei. Se não postei na data, mesmo que sem querer, não deve ser postado.

Esses dias tem sido terríveis. Nada muito fora do normal, mas já imaginava. Porque tentar é sempre tão difícil? Eu quero dar certo. Eu preciso fazer coisas na qual a pessoa que mais deveria me apoiar, não o faz da maneira que eu acho correta. Porque se é para apoior tentando puxar o tapete, pra que tentar então?
Isso tudo é medo que eu finalmente voe?
Cansei de ser chamada de egoísta. Eu penso muito mais em você, querida mãe, do que você realmente pensa. Isso tudo me magoa de uma maneira tão, mas tão horripilante que você não tem noção. Se eu estou até hoje morar dentro da sua casa, aguentando suas mudanças eternas de humor, é porque eu te amo e penso mais em você do que em mim.
Poderia ter simplesmente ido para fora da sua casa a muito tempo. Mas não, penso que você precisa de mim, por ser tão dependente de mim para tudo. Desculpa se eu quero e preciso crescer. Desculpa se eu quero ter a minha liberdade.
Você realmente não tem noção do mal que me faz. Aliás, as suas palavras. Porque precisa ser tão dura comigo?
As coisas que você me fala eu jamais vou esquecer. Nem uma vírgula sequer.
Você fala que é tão diferente de sua família, de suas irmãs, mas só vejo ser parecida.
Eu sei porque tenho ficado doente, tendo quedas estranhas de pressão, tendo azia…
Desculpa simplesmente não querer fazer tudo o que você quer, do jeito que você quer. A vida é minha e eu preciso obedecer ao que eu acho correto.
Eu não sei se você sabe mãe, mas você não vai durar para sempre. Você não vai estar aqui eternamente. Crescer é preciso.

E as lágrimas correm…