Então é Natal…

Hoje, ao abrir meu e-mail, recebo um comentário de alguém (porque não sei o nome então vai sem identificação), porque tinha sumido. Bom, primeiro porque realmente esqueciiiiiii disso daqui!!! hahaha JURO!
Segundo, porque a minha vida anda TÃO corrida que nem tinha tempo.

Seis meses depois (ou mais), minha vida deu uma boa mudada. Em todos os sentidos. Para o meu amiguinho anônimo, estou sim trabalhando na área, agora ganhando um pouco melhor e sendo BEM mais valorizada.
No quesito emocional, dezembro é sempre super complicado pra mim. Começa o mês, meu coração aperta e sinto mais falta do meu pai do que nunca, mas chega lá pelo dia 15, as coisas melhoram.
No quesito amoroso, bom, isso é melhor deixar pra lá.

No mais, tudo bem. Estou na semana de recesso forense. Curtindo uma praia, aproveitando os amigos e a família…
Minha única tristeza de Curitiba é não ter praia, não poder caminhar na areia… Mas também, a gente não pode ter tudo não é?

Boa noite de Natal para todos!

A vida da gente…

Sempre que entramos na escola, a primeira “tia” ensina que “a gente nasce, cresce, reproduz e morre”. Todo mundo aprendeu isso na escola. Mas nesse meio tempo a gente vive. Isso se esqueceram de avisar.
Nesse meio tempo você tem tempo para aprender do que gosta. E também do que não gosta. Aprende que precisa ser educado, que precisa ter bons modos e ser gentil. Aprende que, às vezes, é necessário não ser nada disso do que você levou anos aprendendo. E que em algumas situações você realmente precisa ser o que você não é.
A gente nasce aprendendo. E morre aprendendo. Humildade é uma coisa que simplesmente se tem. É como educação: ou você tem ou você não tem. Não há maneiras de adquiri-la depois de certa idade.
Tem momentos na vida que são realmente úteis. Mas a grande maioria você aprende que “depois de algum tempo você aprende a diferença, a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma”, como bem já disse Shakespeare um dia, num passado ali do lado.

Depois desse texto vago, sem citar nomes e nem ninguém, aprendi que preciso ser mais teimosa do que já sou, mais briguenta do que já sou, mais brava do que já sou, mais qualquer coisa do que já sou. Porque ninguém vai fazer nada por mim.
Bom, vírgula. Isso é uma tremenda mentira! Tem gente que realmente faz algo pela gente. Essa pessoa está ao seu lado desde o seu nascimento. E tem um nome universal: mãe.
Para aqueles que não tem esse sentimento pela própria mãe, só posso dizer uma coisa: lamento. Não tenho culpa e problema seu.
Depois da mãe da gente, aprendemos que tem uma outra coisa que sempre completará nossa vida. Amigos. Esses são os mais preciosos.
Amigo não é aquele igual a vaca de presépio: não concorda com você em tudo. Amigo é aquele que te dá bronca quando você está errado, que te liga as 22 horas de um domingo pra contar que tem um rato na cozinha e pergunta o que fazer nessa situação (ok, quem fez isso foi eu, mas vale a pena aqui ser relatado)… E coisas desse tipo.
Mas também amigo é aquele que te ouve quando você simplesmente precisa falar durante horas, ou simplesmente, precisa chorar. Não fica te perguntando o que aconteceu. Simplesmente te dá um abraço.
E é por isso que eu simplesmente amo meus amigos. Saudades de todos!

O meu muito obrigada!

Fiquei hoje o dia inteiro pensando em como terminar o último post do ano. Nunca fui muito boa com as palavras, mas tenho que terminar agradecendo.

Quero agradecer 2011 por ter feito 2010 terminar. Apesar da faculdade ter terminado, de ter deixado de ver diariamente meus colegas de sala, das risadas, dos lanches, dos churrascos terem ido junto, 2010 precisava terminar. Foi o ano que perdi meu pai e agradeço por tentar salvá-lo, da melhor maneira possível.

Quero agradecer por ter descoberto amigos que eu nem sabia que existiam (ou sabia, mas estavam longe, ou perto, e não olhava muito para eles). Aquela frase “você só descobre os amigos que tem quando realmente precisa deles” é a mais pura verdade. Não posso enumerá-los, pois se esquecer de alguém, será muito triste. Mas algumas pessoas precisam ser mencionadas:
Karina Mello, que sempre conversa comigo pelas madrugadas, me dando seu apoio e sua vivência, meu muito obrigada;
Luiza Fagundes, que a vida a trouxe de volta mais ou menos 10 anos depois de nos conhecermos, onde descobrimos as coincidências das nossas vidas e as tristezas também… meu super obrigada por estar sempre perto mesmo estando longe;
Kemila Ribeiro, o minduim, que simplesmente me ligou e me pediu “chore o quanto você quiser, não segure as lágrimas”. Sábias palavras que levo isso comigo até hoje. Muito obrigada por fazer sempre parte da minha vida;
Rosana Domingues Fernandes, que, para essa não tenho palavras. Meu muito obrigada por estar sempre presente, mesmo na correria da sua vida;
Karla Goulart, a flor do meu jardim!!! Trouxe para mim o afilhado mais fofo do mundo, o Miguel… amiga que está sempre em sintonia, que sabe sempre falar o que eu quero (e o que eu não quero também haha) escutar;
Karina Miguel, que é uma das pessoas mais doces que eu conheço. Que sabe dar uma palavra boa em todas as horas, mesmo que para ela, a hora não seja boa;
Abilene Caroline Carneiro, que além de prima, é realmente pessoa da família… Muiiiiito obrigada por ser você. Muito obrigada por sempre pensar em mim, mesmo que a sua vida seja bem mais complicada do que a minha… amo você pri;
Carolina Maciel, minha querida baixinha, quase uma árabe, que sempre me faz rir, me faz um bem…
E aos outros que não foram mencionados, não se sintam, por favor, menos merecedores do meu muito obrigada. Todos, sim todos, merecem meu muito obrigada.

Quero agradecer a ter lido, quando criança, “Meu pequeno Príncipe”, de Antoine de Saint-Exupéry, por ter aprendido a nobre frase: “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.
Sabia que um dia, o meu DIA iria chegar.
Sabia que quem planta, colhe. E não custa esperar. Adubar a terra e esperar crescer pode ser desestimulante, mas “quem espera sempre alcança”.
Sim, sim. Cheio de frases feitas, coisas que todo mundo conhece mas é isso. É isso que se resume este meu momento.
Meu muito obrigada a vida, a Deus, por ter me feito esperar. Por me ensinar um pouco mais de paciência.

Quero agradecer MUITO a minha mãe. Ela é chata? Muito, mas sem ela, seria muito pior.
É sempre ela que está ao meu lado quando mais preciso. É sempre ela que faz todas as minha vontades. É sempre ela.

E, apesar de tudo, preciso realmente dizer que 2011 foi bom. Foi um divisor de águas. A Samantha que resolveu, finalmente, dar um salto para o futuro.
Espero que 2012 reserve boas coisas pra mim.

E mais uma vez: OBRIGADA DEUS.